Câncer de colo de útero: como se prevenir?

O câncer de colo de útero é o segundo tipo de câncer que mais acomete mulheres ao redor do mundo. Por volta de 80% dos registros acontecem em países em desenvolvimento. No Brasil, calcula-se que, em 2014, foram descobertos mais de 15 mil novos casos. Sabe-se também que o HPV é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença.
Share on facebook
Share on twitter

O câncer de colo de útero é o segundo tipo de câncer que mais acomete mulheres ao redor do mundo. Por volta de 80% dos registros acontecem em países em desenvolvimento.(1)

No Brasil, calcula-se que, em 2014, foram descobertos mais de 15 mil novos casos. Sabe-se também que o HPV é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença. Em 98% dos casos, o vírus do HPV está presente – apesar do vírus não ser a única variável ligada ao aparecimento dessa doença. (1)

Nesse texto, vamos explicar melhor o que é o câncer de colo de útero e como é importante adotar medidas preventivas contra ele.

Quais fatores podem ajudar no surgimento do câncer em geral?

Hoje em dia, acredita-se que, infelizmente, o câncer se tornou uma condição crônica de saúde.  Notou-se que a maior porcentagem dos cânceres é causada por fatores externos, relacionados diretamente com o estilo de vida e com o ambiente. Levando isso em consideração, ficou claro que, atualmente, o câncer não é apenas um fator biológico, mas também social e psicológico. (2)

O aumento da exposição a agentes cancerígenos está relacionado ao padrão de vida atual.A relação com o trabalho, a alimentação e o consumo fazem com que os indivíduos sejam afetados por fatores ambientais tais como agentes físicos, químicos e biológicos decorrentes de alterações no estilo de vida e do intenso processo de industrialização. (2)

Com base no estilo de vida e em fatores relacionados ao nível de desenvolvimento dos aspectos econômico, político e social de uma comunidade, os fatores de risco variam de forma considerável no mundo. E isso inclui como causas também as condições climáticas, além de outras particularidades do ambiente. (2)

Um aspecto importante é que parte desses fatores ambientais dependem exclusivamente do comportamento da pessoa, que pode ser alterado, fazendo com que o risco de desenvolver câncer seja reduzido. Vale lembrar que algumas mudanças dependem apenas do indivíduo, enquanto outras precisam de alterações em nível populacional e comunitário. (2)

Exemplos:(2)

  • Nível individual: redução ou suspensão do uso do cigarro.
  • Nível comunitário: campanha de vacinação para controlar agentes infecciosos associados ao surgimento do câncer – como o vírus da hepatite B.

Um estudo realizado nos Estados Unidos mostrou que um terço das mortes por câncer estão ligadas a quatro fatores: má alimentação, uso de cigarro, sedentarismo e obesidade – e todos eles podem ser mudados. (2)

Como a alimentação entra nessa luta contra o câncer?

Embora nenhum alimento por si só tenha a capacidade de proteger contra o câncer, a combinação correta de alguns deles pode estimular o sistema imunológico contra a doença.Vale lembrar que a alimentação correta, além de agir de forma preventiva, também pode ter um papel muito importante quando a pessoa já tem a doença. (3)

A alimentação saudável pode sim diminuir as chances da doença surgir. Alimentos como farelo de trigo, que possuem a vitamina B6, por exemplo, podem reduzir pela metade os riscos de se ter câncer de pulmão. O azeite de oliva e os suplementos a base de óleo de peixe podem proteger contra o câncer de mama. (3)

Quando se trata do câncer de colo de útero, alimentos como cenoura, folhas verde escuras, vegetais de cor amarela e laranja, tomate, melancia, mamão e goiaba, podem ajudar a prevenir a doença. Já vitaminas como a  C, A e E demonstraram que podem ser grandes aliadas para proteger o organismo contra a doença, especialmente contra a persistência e o avanço de infecções causadas por HPV. (4)

importancia-do-cuidado-preventivo-para-evitar-cancer-de-colo-de-utero

Exames preventivos podem auxiliar no combate ao câncer do colo de útero

A OMS considera que aproximadamente 40% das mortes causadas pelo câncer poderiam ser evitadas. Isso aconteceria se houvesse também a prevenção. (2)

O câncer de colo de útero, infelizmente, é um tipo de câncer comum, particularmente em mulheres entre 20 a 39 anos. O papanicolau é um dos exames preventivos que consegue identificar alterações celulares que podem levar ao desenvolvimento da doença, por isso ele é tão importante. (1)

Notou-se que, em países desenvolvidos, a taxa de mortalidade e o surgimento da doença diminuíram. Isso se deve ao fato de que o descobrimento da doença tem sido feito de forma precoce. E por que isso acontece? Porque quando a doença é identificada cedo, o avanço das células pré-cancerígenas podem ser completamente evitadas na maior parte dos casos. O câncer de colo de útero, descoberto em seu estado inicial, é uma doença totalmente tratável. (1)

No Brasil, apesar dos esforços para implementar programas que visam a prevenção da doença, as taxas de mortalidade não tiveram mudanças significativas nos últimos vinte anos. Além do problema de escassez de recursos financeiros para a área da saúde, dois fatores que atrapalham a detecção precoce do câncer de colo de útero são as limitações dos serviços de saúde e do sistema de informação. Tudo isso dificulta – e muito – no amplo rastreamento da doença. (1)

importancia-do-cuidado-preventivo-para-evitar-cancer-de-colo-de-utero

Vacinação contra o HPV na prevenção contra o câncer do colo de útero:

O vírus papiloma humano (HPV) que citamos no início do texto,  está relacionado com o desenvolvimento de quase 98% dos casos de câncer do colo de útero. Esse tipo de câncer tem o seu controle baseado na análise do papanicolau que, como falamos, pode detectar de maneira precoce as lesões precursoras ou o próprio câncer do colo de útero. (5)

A vacina contra o HPV, aprovada em junho de 2006, traz a possibilidade de ações em nível primário de prevenção deste tipo de câncer, já que ela só ocorria em nível secundário.(5)

Como o HPV é uma condição necessária para o desenvolvimento do câncer cervical, a vacina contra o papiloma humano representa enorme potencial para reduzir a carga de lesões precursoras e da doença cervical. Por isso, no Brasil, essa vacina foi incorporada no Calendário Nacional de Vacinação do Adolescente em julho de 2013. (6)

É importante dizer que ela tem maior resultados de proteção e indicação para quem nunca teve contato com o vírus (HPV). (6)

Por ser uma ferramenta de prevenção primária, não tem efeito demonstrado na doença já estabelecida. Além disso, ela não substitui o rastreamento do câncer, pois não protege contra todos os subtipos oncogênicos do HPV. (6)

Analisando todas essas informações, assim como na luta contra o câncer de mama, a prevenção por meio do acompanhamento médico e mudanças de hábitos são as melhores armas para combater essa doença que tira a vida de tantas mulheres. Cuide-se! Faça os exames anualmente.

 

FONTES:
  1. Pesquisa aponta como mulheres percebem o câncer de colo do útero. SciELO em Perspectiva: Humanas, 2015. Adisponível em <https://humanas.blog.scielo.org/blog/2015/08/12/pesquisa-aponta-como-mulheres-percebem-o-cancer-de-colo-do-utero/>. Acesso em 21 out. 2020.
  1. SOUZA, Maria das Graças G. de; SANTOS, Iraci dos; SILVA, Leandro A. da. Educação em saúde e ações de autocuidado como determinantes para prevenção e controle do câncer.Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, Rio de Janeiro, v. 7, n. 4, p. 3274-3291, 2015. Disponível em <https://www.redalyc.org/pdf/5057/505750948034.pdf>. Acesso em 21 out. 2020.
  1. MUNHOZ, Mariane Pravato et al. Efeito do exercício físico e da nutrição na prevenção do câncer. Revista Odontológica de Araçatuba, v. 37, n. 2, p. 09-16, Araçatuba, 2016. Disponível em<https://apcdaracatuba.com.br/revista/2016/08/trabalho5.pdf>. Acesso em 21 out. 2020.
  1. SAMPAIO, Lúcia da Cunha; ALMEIDA, Cristiane Fonseca de. Vitaminas antioxidantes na prevenção do câncer de colo uterino. Revista Brasileira de Cancerologia, v.55, n.3, p. 289-296, 2009. Disponível em <http://www1.inca.gov.br/rbc/n_55/v03/pdf/93_revisao_literatura4.pdf>. Acesso em 21 out. 2020.
  1. BORSATTO, Alessandra Zanei; VIDAL, Maria Luiza Bernardo; ROCHA, Renata C. N. Pereira. Vacina contra o HPV e a prevenção do câncer do colo do útero: subsídios para a prática. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 57, n. 1, p. 67-74, 2011. Disponível em <https://rbc.inca.gov.br/revista/index.php/revista/article/view/690/462>. Acesso em 21 out. 2020.
  1. Informe técnico sobre a vacina papilomavírus humano (HPV) na atenção básica. Ministério da Saúde – Secretaria de Vigilância em Saúde – Departamento de Vigilância de Coenças Transmissíveis – Coordenação-Geral do Programo Nacional de Imunizações, Brasília, 2014. Disponível em <https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2015/junho/26/Informe-T–cnico-Introdu—-o-vacina-HPV-18-2-2014.pdf>. Acesso em 21 out. 2020.

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

CATEGORIAS
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

10 tendências alimentares para 2018!

Você já deve ter visto algum desfile de moda com as tendências para 2018, certo? Mas já pensou se em vez de sapatos, bolsas e vestidos, fossem os alimentos os protagonistas?

É claro que eles não vão subir na passarela, mas a verdade é que eles estão seguindo um padrão cada vez mais saudável e sustentável. Isso é consequência da necessidade de cuidarmos do nosso corpo e do planeta, o que reflete diretamente nas nossas escolhas alimentares.

Veja quais tipos de alimentos estão entre as “tendências” para 2018: