Como o ômega 3 pode auxiliar no tratamento de depressão e ansiedade?

Muito se fala na relação da dieta com a saúde física e o desenvolvimento de doenças relacionadas à deficiência de importantes nutrientes no nosso organismo, mas não é tão comum a gente se deparar com informações que abordam a relação entre os alimentos e os aspectos psicológicos, não é mesmo?
Share on facebook
Share on twitter

Muito se fala na relação da dieta com a saúde física e o desenvolvimento de doenças relacionadas à deficiência de importantes nutrientes no nosso organismo, mas não é tão comum a gente se deparar com informações que abordam a relação entre os alimentos e os aspectos psicológicos, não é mesmo?

Já parou para questionar se o que você come pode interferir positiva ou negativamente na sua saúde mental? É sobre isso e, especificamente, sobre os benefícios do ômega 3 no auxílio ao tratamento da ansiedade e da depressão que vamos falar hoje. Vamos lá?

Estudos já mostraram que a qualidade da nossa alimentação tem relação direta com transtornos de humor e ansiedade. (1)

Além desse dado que citamos, outro estudo, realizado pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, revelou que idosos com depressão apresentam baixas concentrações de ômega 3 no organismo. (2,3)

Para compreendermos a relação entre eles, vamos entender melhor sobre o que são a ansiedade e a depressão?

Entenda a diferença entre ansiedade e depressão:

Resumidamente, são os transtornos mentais mais comuns dentre os seres humanos e um grande problema de saúde pública mundial! (1)

Sofrer por antecipação, ter medo, ficar apreensivo ou tenso, são sintomas comuns que caracterizam a ansiedade. Dependendo do nível deste transtorno, ele pode se transformar numa patologia que afeta toda a qualidade de vida do indivíduo, podendo se externar por meio de sintomas como: taquicardia, falta de ar, desespero, tontura, tremores e calafrios, retraimento social, sensação de sufocamento e outros. (1)

Já a depressão, que é uma das principais causas de incapacidade do mundo, compromete o estado físico e psicológico do indivíduo, prejudicando várias esferas da vida como trabalho, relacionamentos e estudos. Principais sintomas que caracterizam a depressão: perda de interesse em algo prazeroso, baixa autoestima, tristeza profunda, insônia ou excesso de sono, alteração no apetite, ansiedade e outros. (1)

O déficit de neurotransmissores na comunicação entre nossos neurônios pode resultar nestes transtornos mentais e é aí que começamos a inserir o ômega 3 nesta pauta. Por isso, guarde essa informação. (1)

O que é o ômega 3?

Trata-se de um conjunto de ácidos graxos poli-insaturados que são fundamentais para o funcionamento do nosso corpo, considerados essenciais, o que significa que não podem ser sintetizados (produzidos) pelo organismo e precisam ser adquiridos por meio da dieta. (4, 5, 6, 7)

Existem dois tipos de ômega 3: o de origem animal e o de origem vegetal.

O animal, que é muito encontrado em peixes de águas profundas e geladas, como salmão, atum e sardinha, possui, principalmente, o ácido docosaexaenoico (DHA) e o ácido eicosapentaenoico (EPA). (6, 7, 8, 9)

Já o vegetal, pode ser encontrado, por exemplo, na linhaça, chia, nozes e outros, contém ácido alfa-linolênico (ALA)e também em algas marinhas ( DHA ) .(6, 7)

Entre as principais ações que o ômega 3 derivado do óleo de peixe (EPA e DHA) desempenham no nosso organismo, está a anti-inflamatória e, é nesta função super importante, que vamos relacionar esse óleo essencial ao tratamento da ansiedade e da depressão. (4, 5,6, 8)

Ômega 3 x Ômega 6:

Hoje, não vamos abordar com profundidade o ômega 6, que também é um ácido graxo essencial, porém, é importante ter em mente que, enquanto o ômega 3 é anti-inflamatório, o 6 pode desempenhar função contrária, ou seja, aumenta os níveis de inflamação no organismo. Porém, é importante deixar claro que o ômega 6 não é um vilão na nossa alimentação. Aliás, ele é necessário. O problema está na proporção entre o consumo desses dois ômegas. Atualmente, a alimentação, principalmente, dos povos ocidentais possui muito mais ômega 6 do que o 3. (4, 5, 8)

Estima-se que nos primórdios, o homem consumia esses dois ácidos graxos essenciais em proporção equilibrada da ordem de 2:1 a 3:1 (em peso), sendo o número maior ômega 6. De acordo com um relatório da FAO de 1994, essa proporção estava em torno de 20:1 a 25:1 para os povos ocidentais. Ou seja, estamos, cada vez mais, inflamando nosso organismo por meio da alimentação e, para atingir o equilíbrio, é preciso diminuir essa diferença na proporção entre eles, pois, um cérebro inflamado pode ser um cérebro ansioso.(6)

como-o-omega-3-pode-auxiliar-no-tratamento-de-depressao-e-ansiedade

O ômega 3, o DHA e o nosso cérebro

O DHA, presente no ômega 3 de origem animal e também em algas marinhas, é um dos componentes mais abundantes nos lipídios estruturais do cérebro e componente-chave das membranas neuronais, o que sugere que sua ação é viral para a função cerebral. (6)

De acordo com um estudo, quando o DHA é incorporado pela membrana das células dos neurônios, a comunicação entre elas melhora. Mais que isso, esse ácido pode estimular a produção de neurotransmissores importantes, como a serotonina, que é responsável pela função orgânica, regulação da sede e do apetite, balanço energético e regulação das emoções e processos comportamentais, e a dopamina, que é responsável pelo controle do humor, da cognição, das emoções e da memória que, em pessoas com quadros depressivos, podem ser encontradas em baixas concentrações. (1,2)

Estudos mostraram ainda que uma dieta enriquecida com ômega-3 pode ser capaz de inibir a neuroinflamação, retardar o estresse oxidativo e apoptose celular. (6)

Além disso, o consumo de ômega 3 pode reduzir a interação dos neurônios com outras substâncias como o cortisol, hormônio do estresse. (9)

Então, como o ômega 3 pode ajudar no tratamento da ansiedade e da depressão?

Como falamos, além de desempenhar função anti-inflamatória, o ômega 3 animal pode estimular a produção de neurotransmissores que, quando em falta, podem resultar em quadros de ansiedade e depressão. Sendo assim, podemos afirmar que esse óleo essencial pode ser um grande aliado no tratamento destes transtornos mentais.(1, 2)

Outros benefícios do ômega 3

Como o ômega 3 é fundamental para o nosso organismo, ele possui muito mais benefícios que estes relacionados ao cérebro e aos processos inflamatórios. Veja mais alguns deles:(5, 6, 8)

  • proteger as artérias, diminuindo os riscos de infarto, derrame e outras doenças cardíacas;
  • redução de triglicerídios;
  • ajudar no controle da pressão arterial;
  • melhorar a imunidade;
  • promover saúde ocular;
  • pode ajudar na prevenção do câncer, diabetes e artrite reumatoide e outros.

como-o-omega-3-pode-auxiliar-no-tratamento-de-depressao-e-ansiedade

Dicas de como incluir mais ômega 3 no seu dia a dia

Aumentar o consumo desse ácido graxo pode, então, promover ótimos benefícios para a nossa saúde, não é mesmo? Para que ele faça mais parte da sua vida, você pode consumí-lo através de:

  • animais: salmão, linguado, pescada, arenque, atum e outros peixes de águas salgadas e profundas;(6, 9)
  • vegetais: linhaça, amêndoas, chia, soja, nozes e outros; (6, 9)
  • suplementos: é importante saber a qualidade do suplemento que está levando para casa. Dê preferência por ômega 3 com certificado e garantia de pureza, maior concentração de DHA e EPA, ultrafiltrado e livre de mercúrio e outros metais tóxicos. No caso do ômega 3 vegetal, opte por aqueles que são produzidos por meio da prensagem a frio. (10,11)

Para saber a quantidade ideal de consumo desse ácido graxo e quanto suplementar, é essencial que procure um nutricionista ou outro especialista da área da saúde que possa orientá-lo de maneira segura.

Caso seja orientado que você suplemente o ômega 3, sempre fique atento à qualidade do produto que está levando para casa, avaliando se ele tem altas concentrações desse ácido graxo, se é livre de metais tóxicos, se possui garantia de pureza e se a vitamina E, que atua como antioxidante mantendo a qualidade do óleo, está presente na sua composição.

FONTES:
  1. YOGI, Cintia Midori; LOMEU, Fernanda L. R. De Oliveira; SILVA, Roberta Ribeiro. Alimentação, Depressão e Ansiedade: entenda a relação. Universidade Federal de Alfenas, 2018. Disponível em <https://www.unifal-mg.edu.br/prace/sites/default/files/prace/E-BOOK-Alimentacao-Depressao-Ansiedade.pdf>. Acesso em 16 jul. 2020.
  1. PAVANI, Gabriel. Ômega 3 e depressão: como ele atua?2018. (4m31s). Disponível em<https://www.youtube.com/watch?v=df8bZYWoNwI>. Acesso em 16 jul. 2020.
  1. TALAMONE, Rosemeire Soares. Estudo da FMRP revela que idosos com depressão têm pouco ômega-3 no organismo. Universidade de São Paulo, 2014. Disponível em <https://www5.usp.br/42531/estudo-da-fmrp-revela-que-idosos-com-depressao-tem-pouco-omega-3-no-organismo/>. Acesso em 16 jul. 2020.
  1. ABUD, Marcos. Ômega 3 para o tratamento da ansiedade. Saúde da Mente, 2019. (12m49s). Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=AWRFHFYStOc>. Acesso em 16 jul. 2020.
  1. AIRES, José Luiz Ferraz. Ácidos Graxos ômega 3 e ômega 6: importância no metabolismo e na nutrição. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005. Disponível em <https://www.ufrgs.br/lacvet/restrito/pdf/ag_omega.pdf>. Acesso em 16 jul. 2020.
  1. MELLO, Aline Haas. O potencial nutracêutico do ômega-3 na obesidade induzida por dieta hiperlipídica: do tecido adiposo ao cérebro. Universidade do Sul de Santa Catarina, 2017.
  1. JUNIOR, Wilson Rondô. Ômega-3 de origem vegetal x animal: qual o melhor? Jornal do Brasil. Disponível em <https://www.jb.com.br/pais/artigo/2018/09/4981-mega-3-de-origem-vegetal-x-animal-qual-o-melhor.html>. Acesso em 16 jul. 2020.
  1. TELES, Juliano. Quais os benefícios do ômega 3. 2019. (10m46s). Disponível em<https://www.youtube.com/watch?v=7T3QdLoZH4A). Acesso em 16 jul. 2020.
  1. Previna ansiedade com ômega-3. Autoridade Fitness, 2019. (5m44s). Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=fubhGSEwslg>. Acesso em 16 jul. 2020.
  1. SCINOCCA, Ana Paula. Tudo o que você precisa saber sobre o ômega 3. Estadão, 2016. Disponivel em <https://emais.estadao.com.br/blogs/vigilante-da-causa-magra/tudo-o-que-voce-precisa-saber-sobre-o-omega-3/>. Acesso em 16 jul. 2020.
  1. Guia do bom (suplemento de) ômega-3. Vital Âtman, 2018. Disponível em <https://vitalblog-dev.actionlabs.com.br/guia-do-bom-suplemento-de-omega-3/>. Acesso em 16 ju. 2020.

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

CATEGORIAS
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Saiba o que é a Degeneração Macular Relacionada à Idade e como preveni-la

Como está a sua visão? Pode ser que você precise de óculos, sofra de irritação ou até de uma doença como catarata ou glaucoma. Em todos esses casos existem tratamentos que podem corrigir ou, no caso do glaucoma, pelo menos evitar que a doença avance e leve à cegueira. Mas você já ouviu falar da Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)?

Ômega 3: conheça os benefícios desse ácido graxo na saúde da mulher

O universo feminino é cheio de particularidades e quanto mais nos aprofundamos nele, mais percebemos o quanto ele pode ser complexo e doce ao mesmo tempo. A saúde, parte essencial para uma vida plena e feliz em qualquer ser humano, na mulher, também deve ser abordada de uma maneira cuidadosa e analisando todos os fatores associados ao organismo feminino.