‘Gorduras boas’ são saudáveis para acrescentar nas receitas

Share on facebook
Share on twitter

Fonte: vidaeestilo.terra.com.br

Nozes, avelãs, amêndoas, castanhas (de caju e do Brasil), macadâmias, pistaches, entre outras, integram o grupo conhecido como oleaginosas, que são alimentos fontes de gorduras poli-insaturadas (gordura boa), vitamina E, selênio, zinco, entre outros nutrientes. “Elas podem auxiliar na manutenção do peso, na diminuição do colesterol, na prevenção das dores de cabeça e até na redução do estresse”, explica a nutricionista Gisela Savioli, autora, entre outros, do livro Alimente bem suas emoções(Ed. Loyola).

Seu consumo, porém, precisa ser moderado, pois mesmo contendo gorduras boas, são calóricas. Além disso, elas são difíceis de digerir, podem desencadear processos alérgicos e apresentar fungos. “Por isso, o ideal é não ultrapassar a quantidade recomendada para o consumo, e com rodízio entre as oleaginosas para diminuir a incidência de alergia”, orienta a nutricionista funcional Andrezza Botelho.

Quanto ingerir
Para crianças entre 4 a 8 anos, a recomendação é de meia castanha do Brasil e três nozes (ou de castanha de caju) por semana, sempre em dias alternados. No caso dos adolescentes, a porção é de uma castanha do Brasil, de três a cinco nozes e de 20 a 40 gramas de castanha de caju, também por semana e em dias alternados.

Mais sabor entre as refeições
As oleaginosas são uma boa opção de complemento nos lanches da manhã ou da tarde, pois conferem saciedade. Vale ainda usá-las em preparações, já que não perdem tanto o seu valor nutricional. As nozes vão bem em molho pesto, enquanto que as castanhas de caju e do Brasil são ótimas para incrementar o arroz integral. “Lascas de amêndoas podem ser salpicadas em uma salada de folhas para conferir crocância e dar um toque diferenciado à refeição”, ensina Andrezza.

Conserve bem
O ideal é comprar as oleaginosas na casca e conservá-las em pote de vidro, com vedação e na geladeira. “Elas não devem ficar expostas ao sol ou a qualquer fonte de calor como forno, fogão e micro-ondas, pois isso aumenta a chance de desenvolver fungos. Assim, tanto crianças quanto adolescentes terão mais segurança na hora de consumi-las”, orienta Andrezza.

 

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

CATEGORIAS
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Ômega 3: um ótimo aliado contra o Lúpus

Trazemos aqui uma ótima notícia para quem sofre de Lúpus, uma doença autoimune e que por enquanto não tem cura. O Ômega 3 pode ser um grande aliado!
Quem convive com o Lúpus sabe o quanto é dolorido. O Lúpus Eritematoso Sistêmico, é uma doença inflamatória que pode afetar qualquer órgão ou tecido do corpo, mais frequentemente a pele, as articulações, os rins, pulmões e o sistema nervoso.

Seus ossos merecem atenção

Você provavelmente já deve ter escutado que os ácidos graxos ômega 3 nas formas de EPA e DHA ajudam a reduzir o risco de doença cardiovascular, certo? E você sabe que essas gorduras especiais também podem oferecer proteção contra o declínio cognitivo associado à idade e a doença de Alzheimer, não é mesmo?

Mas você sabia que os ácidos graxos ômega 3 também desempenham um papel fundamental na proteção da saúde de nossos ossos?

O segredo para ter ossos fortes

A osteoporose, uma doença em que os ossos se tornam frágeis e quebradiços, afeta milhares de brasileiros. Este problema é mais comum em mulheres na pós-menopausa mas afeta também os homens, e pode trazer consigo uma série de problemas de saúde indesejáveis, por isso a prevenção é fundamental.