Manjericão: para uma vida mais gostosa e saudável!

Muito conhecida na nossa culinária, essa plantinha, que vai muito além de um simples tempero e tem um sabor inconfundível, esconde entre suas folhas verdes diversos benefícios para a nossa saúde, sabia? Continue lendo que, no fim desse texto, além de muita informação, deixaremos uma receita deliciosa tendo como ingrediente principal ele, o manjericão!
Share on facebook
Share on twitter

Muito conhecida na nossa culinária, essa plantinha, que vai muito além de um simples tempero e tem um sabor inconfundível, esconde entre suas folhas verdes diversos benefícios para a nossa saúde, sabia? Continue lendo que, no fim desse texto, além de muita informação, deixaremos uma receita deliciosa tendo como ingrediente principal ele, o manjericão!

Plantas medicinais

Plantas são usadas desde as civilizações mais antigas para fins medicinais. Com base nas experiências que adquirimos com o tempo, observando animais utilizando as plantas quando estavam doentes, fomos aprendendo as propriedades medicinais de diversos vegetais. Os aprendizados sobre os recursos terapêuticos das plantas na cura de doenças foram sendo passados de geração a geração. (1)

A OMS (2000 apud MILITÃO) define plantas medicinais como “aquelas que possuem uma história de uso tradicional como agente terapêutico”. Ainda de acordo com a organização, 80% da população dos países em desenvolvimento usam práticas de medicina tradicional e 85% dessas práticas envolvem plantas medicinais. (1)

Especialistas transformam os princípios ativos encontrados nas plantas em medicamentos para o tratamento de diversas doenças que afetam os seres humanos e os animais. Feito de maneira adequada, o tratamento com plantas pode trazer diversos benefícios para a saúde no combate a infecções, alergias, disfunções metabólicas e outras. (1)

Ao compreender a necessidade da normatização do uso de plantas para fins medicinais, a ANVISA publicou uma relação, constante na Resolução RDC Nº 17 das principais plantas da flora brasileira mais utilizadas. (1)

As plantas condimentares (especiarias) podem ser utilizadas de diversas maneiras: para aromatizar, temperar, modificar cor e outros. (1)

Manjericão: quem é você?

Pertencente à família Lamiaceae, do gênero Ocimum, é considerada uma planta anual ou perene. Para a maioria dos pesquisadores, essa planta é de origem indiana, porém, as mais de 60 espécies e formas já relatadas dificultam descobrir a verdadeira identidade e origem dela. (1,2)

Sua classificação é feita de acordo com seus aromas, que podem ser doce, limão, cinamato ou canela, cânfora, anis e cravo e, também, por suas características morfológicas, que dependem do porte, formato da copa, tamanho e coloração da folhagem. (2)

A espécie Ocimumbasilicum é comercialmente cultivada para utilização das folhas verdes e aromáticas que podem ser usadas secas ou frescas como tempero ou para aromatizar. (1)

manjericao-para-uma-vida-mais-gostosa-e-saudavel

Benefícios do Manjericão para a saúde

No manjericão, podemos encontrar compostos químicos como taninos, flavonoides, saponinas, cânfora e, no óleo essencial, timol, estragol, linalol, eugenol, cilenol e pireno. (3)

De acordo com diversos autores, as ações medicinais do manjericão podem ser antiespasmódica, sedativa, antiviral, antimicrobiana, antioxidante, antifúngica, acaricida, anticonvulsiva, antigiardial e outros. (1)

Devido aos compostos fenólicos (polifenóis),que podem atuar como sequestradores de radicais livres, o manjericão pode agir na redução de doenças crônicas, pois suas substâncias podem ser capazes de diminuir ou prevenir de maneira significativa a oxidação de substâncias facilmente oxidáveis, como as gorduras. (1)

Alimentos antioxidantes têm cada vez mais sido utilizados na prevenção de doenças cardiovasculares, neurodegenerativas (Alzheimer e Parkinson, por exemplo), câncer e problemas ocasionados pelo envelhecimento das células. (1)

Confirmado cientificamente, produtos naturais podem agir de maneira eficiente no controle do crescimento de diversos microorganismos como fungos, leveduras e bactérias. A ação microbiana dos compostos fenólicos, que estão presentes no manjericão, está relacionada com a inativação das enzimas celulares e, também, mudanças na permeabilidade das membranas celulares. (1)

Alguns tipos de manjericão cultivados no Brasil e suas indicações

1 – OcimumGratissimum, L. (alfavaca cravo):

Rico em eugenol, desempenha ação antisséptica local contra alguns fungos. Além disso, também é rico em eucaliptol, que é expectorante e desinfetante pulmonar. (2)

2 –OcimumMicranthum, L. (alfavaca de galinha / alfavaca miúda):

Contém eugenol, metileugenol e linalol. Utilizado para tratamento de problemas das vias respiratórias, reumatismo, paralisias, epilepsia e doenças mentais. Além disso, seus compostos são usados naturalmente como fungicida, antimicrobial, nematicida e inseticida. (2)

3 –OcimumSelloi, Benth (elixir peregórico):

Contém cineol, metil chavicol, linalol, flavonoides e ácidos triterpênicos. Atua como antimicrobiano, analgésico, na eliminação de gases intestinais e problemas digestivos. Além disso, também pode ser utilizado como repelente de insetos. (2)

4 –OcimumBasilicum, L. (manjericão branco):

Contém vitamina A, B (1, 2 e 3) e C, é fonte de minerais (cálcio, fósforo e ferro), taninos, flavonoides, saponinas, cânfora e óleo essencial que contém timol, estragol, metil chavicol, linalol, eugenol, cineol e pireno. Pode ser usado como diurético e em casos degripes e problemas respiratórios. (2)

manjericao-para-uma-vida-mais-gostosa-e-saudavel

Manjericão na culinária

Por ser considerado fonte de nutrientes e estar relacionado à prevenção de doenças, essa planta pode ser considerada como alimento funcional. (1)

Também conhecido como “erva de tomate”, essa planta é muito utilizada em receitas que também contêm tomates, como molho para macarrão, pizza, recheios, além de ser ingrediente para molho de churrasco, geleias, tempero para carnes (carneiro e carne de vaca) e frutos do mar como lagosta e camarão. (2)

Lembra que falamos no início do texto que iríamos deixar uma receita aqui?

Chegou a hora! Vamos deixar uma dica muito simples e fácil de fazer de uma das receitas mais conhecidas tendo como manjericão o ingrediente principal: o molho pesto! Uma receita italiana que serve como acompanhamento de massas, saladas, carnes grelhadas, queijos e bruschettas.

Anote aí: (4)

– 04 dentes de alho;

– 01 colher (chá) de sal;

– 01 xícara (chá) de folhas de manjericão fresco;

– 03 colheres (chá) de nozes sem casca ou pinoli;

– 100g de queijo pecorino ou parmesão ralado;

– ½ xícara (chá) de azeite;

– Pimenta do reino a gosto.

Modo de Fazer:

– Descasque os dentes de alho, passe pelo espremedor e coloque em uma tigela.

– Adicione a colher de chá de sal e misture muito bem.

– Triture os pinolis ou as nozes (no processador, com um pilão ou com as mãos) e junte alho e sal.

– Lave as folhas de manjericão, seque e pique em pedaços bem pequenos, depois coloque também na tigela.

– Acrescente o queijo e o azeite e misture muito bem até obter uma pasta homogênea.

– Tempere com um pouco de pimenta-do-reino e conserve em um vidro esterilizado.

manjericao-para-uma-vida-mais-gostosa-e-saudavel

Conheça o nosso PumpkinBasil

(https://www.vitalatman.com.br/produto/pumpkin-basill/)

O óleo de abóbora e manjericão prensados a frio!

Porcionado em sachês, colocamos ao seu alcance os benefícios dos ômegas e do manjericão com um sabor especial para os seus pratos!

É um produto prensado a frio, que possui fórmula exclusiva e fabricação própria. Um sachê muda todo o sabor de um prato que pode servir até 5 pessoas, proporcionando um toque exótico e marcante. Experimente!

FONTES: 
  1. MILITÃO, Fabíola de Lima; FURLAN, Marcos Roberto. Alimento funcional através do uso de Ocimumbasilicum L. (manjericão) como aromatizante e tempero. Disponível em <http://revista.oswaldocruz.br/Content/pdf/Fabiola_de_Lima_Milita%CC%83o.pdf>. Acesso em 21 set. 2020.
  1. PEREIRA, Rita de Cassia Alves; MOREIRA, Ana Luiza Martins. Manjericão: cultivo e utilização. Embrapa Agoindústria Tropical. Fortaleza, 2011. Disponível em <https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/900892/1/DOC11004.pdf>. Acesso em 21 set. 2020.
  1. GODINHO, Graziele Cristina. Atividade antibacteriana do óleo essencial do manjericão. 2012. 78 f. Trabalho de Conclusão de Curso – Fundação Educacional do Município de Assis – FEMA. Assis, 2012. Disponível em <https://cepein.femanet.com.br/BDigital/arqTccs/0911290114.pdf>. Acesso em 21 set. 2020.
  1. Molho Pesto. Tudo Gostoso. Disponível em <https://www.tudogostoso.com.br/receita/5887-molho-pesto.html>. Acesso em 21. Set. 2020.

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

CATEGORIAS
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Orégano: benefícios além da cozinha

Sabia que sua despensa também pode servir como farmácia? É que alguns produtos naturais são verdadeiros remédios que podem ajudar a combater vários tipos de doenças.

Quer um exemplo? O orégano! Ele é muito mais que um simples tempero! A partir dele é possível extrair seu óleo (prensado a frio) que pode tratar e prevenir várias doenças, desde infecções até problemas digestivos e do coração. Isso porque entre seus principais compostos estão o carvacrol e o timol.

Alimentos e suplementos que toda grávida precisa conhecer

Em um mundo onde a informação está a um clique de distância, impressiona a quantidade de mulheres grávidas que não se alimentam adequadamente para garantir a saúde do bebê e a própria.

Um estudo publicado no “Journal of Family and Reproductive Health” avaliou os hábitos alimentares de 485 mulheres grávidas.

Os pesquisadores descobriram que apenas 1,9% delas atendiam às recomendações alimentares de frutas e vegetais para uma gravidez saudável.

Diferença entre óleos virgens e óleos refinados

No mundo de hoje, gordura não é mais um tópico proibido. Cada vez mais as pessoas estão conhecendo melhor a diferença entre os bons tipos de gordura e aquelas que são maléficas, e isso é uma excelente notícia! Mas em relação ao consumo de óleos vegetais, você sabe a diferença entre óleos virgens e óleos refinados?