Saiba se você está sofrendo da “síndrome do olho seco”

O inverno está chegando e pode ser que você esteja sentindo um incômodo nos olhos como sensação de ardência, sensibilidade ao vento e à luz, vermelhidão ou dificuldade em abrir as pálpebras ao acordar. Nesse caso você pode estar sofrendo de uma condição que afeta muitas pessoas nas épocas mais frias do ano: a “síndrome do olho seco”.
Share on facebook
Share on twitter

O inverno está chegando e pode ser que você esteja sentindo um incômodo nos olhos como sensação de ardência, sensibilidade ao vento e à luz, vermelhidão ou dificuldade em abrir as pálpebras ao acordar. Nesse caso você pode estar sofrendo de uma condição que afeta muitas pessoas nas épocas mais frias do ano: a “síndrome do olho seco”.

Mas o que é isso?

Antes de responder a esta pergunta, é preciso entender como funciona o sistema natural de lubrificação ocular. Veja:

Os olhos produzem lágrimas o tempo todo, não apenas quando bocejamos ou choramos. Quando saudáveis, os olhos são constantemente cobertos por um fluido, conhecido como filme lacrimal. Ele é projetado para permanecer estável entre cada piscada. Isso evita que os olhos fiquem secos e nos permite ter uma visão mais nítida.

As lágrimas são feitas de água, óleos gordurosos, proteínas, eletrólitos e substâncias para combater bactérias. Essa mistura ajuda a manter a superfície dos olhos lisa e clara, para que possamos ver claramente.

Se as glândulas lacrimais produzem menos lágrimas, o filme lacrimal pode se tornar instável criando pontos secos na superfície dos olhos.

saiba-se-voce-esta-sofrendo-da-sindrome-do-olho-seco2

E quais as causas dessa síndrome?

Uma das causas é um desequilíbrio na mistura lacrimal: o filme lacrimal tem três camadas: óleo, água e muco. Problemas com qualquer um destes elementos pode levar a sintomas de olho seco.

A camada superior, o óleo, vem das bordas das pálpebras, onde as glândulas meibomianas produzem lipídios, ou óleos graxos. Esses óleos suavizam a superfície da lágrima e diminuem a taxa de evaporação. Níveis de óleo defeituosos podem fazer com que as lágrimas evaporem muito rapidamente.

Além disso, a inflamação ao longo da borda das pálpebras, conhecida como blefarite, assim como a rosácea e algumas outras doenças de pele, podem fazer com que as glândulas meibomianas fiquem bloqueadas, causando a síndrome do olho seco.

A camada intermediária é a mais espessa, e consiste de água e sal e é produzida pelas glândulas lacrimais. Elas limpam os olhos e removem partículas e elementos que possam irritar os olhos.

Problemas com essa camada podem levar à instabilidade do filme. Se a camada de água for muito fina, as camadas de óleo e muco podem se misturar, resultando em olhos bem secos.

Já a camada interna, o muco, permite que as lágrimas se espalhem uniformemente sobre os olhos. Um mau funcionamento pode levar a áreas secas na córnea, superfície frontal do olho.

Outras causas:

saiba-se-voce-esta-sofrendo-da-sindrome-do-olho-seco3

Após os 40 anos a produção de lágrimas tende a diminuir. Nessa fase, os olhos podem ficar mais secos e facilmente irritados e inflamados. Isso é mais comum em mulheres especialmente após a menopausa, possivelmente devido a alterações hormonais.

A redução na produção de lágrimas também está ligada a:

– Doenças autoimunes, como lúpus, esclerodermia ou artrite reumatoide;

– Tratamentos com radiação;

– Diabetes;

– Deficiência de vitamina A;

– Cirurgias oculares refrativas;

– Problemas palpebrais, medicamentos e fatores ambientais;

– Fatores climáticos como clima seco, sol, vento e outros tipos de ar quente ou ar seco, como em uma cabine de avião.

– Fumaça e o uso de lentes de contato.  

E o que fazer? Qual o tratamento?

saiba-se-voce-esta-sofrendo-da-sindrome-do-olho-seco4

O ideal é procurar um oftalmologista. Ele fará um exame físico e perguntará sobre os seus sintomas, histórico médico, medicação em uso, sua ocupação e circunstâncias pessoais.

Os tratamentos mais comuns incluem o uso de colírios, medicamentos, pomadas antibióticas para uso noturno e medicação de uso oral. Em casos mais graves no qual o olho seco é causado por problemas na estrutura dos olhos, pode ser indicada uma cirurgia nos canais lacrimais

E o que posso fazer em casa?

– Use óculos para proteger seus olhos contra o vento e o ar quente;

– Pisque com frequência sempre que estiver usando o computador ou assistindo TV;

– Caso seja fumante, evite fumar em lugares fechados;

– Mantenha a temperatura ambiente moderada;

– Use um umidificador caseiro;

E a alimentação? Influencia na síndrome do olho seco?

saiba-se-voce-esta-sofrendo-da-sindrome-do-olho-seco5

Sim, e muito! Uma dieta baixa em ácidos graxos ômega 3 encontrado em peixes gordos de águas profundas e geladas como atum, arenque, sardinha e salmão selvagem e vitamina A podem estar ligadas a esta síndrome.

E como é muito difícil ingerir a quantidade necessária desses alimentos por dia, uma boa dica é ingerir bons suplementos de ômega 3 com altos níveis de concentração dessa substância.

Se você está com os sintomas relacionados acima, procure imediatamente seu oftalmologista e mude seus hábitos alimentares adicionando bons suplementos de ômega 3 na sua dieta!

E se gostou desse artigo repasse-o para seus amigos, afinal compartilhar saúde é Vital!

Referências:
Pinheiro Jr., M. N., Santos, P. M. dos, Santos, R. C. R. dos, Barros, J. de N., Passos, L. F., & Cardoso Neto, J. (2007). Uso oral do óleo de linhaça (Linumusitatissimum) no tratamento do olhoseco de pacientesportadores da síndrome de Sjögren. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, 70(4), 649–655.

2 comentários em “Saiba se você está sofrendo da “síndrome do olho seco””

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

CATEGORIAS
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Já ouviu falar dos antioxidantes sesamina e sesamolina?

Sabe aquele gergelim que você conhece, geralmente usado sobre os pães? Além de enfeitar os alimentos e dar um gostinho especial, o óleo extraído a frio deste alimento traz vários benefícios para a saúde!

Entre seus compostos estão dois ácidos graxos polinsaturados antioxidantes, a sesamina e a sesamolina, que podem melhorar as funções cardíacas, o sistema imune e até ajudar no emagrecimento.

Qual a diferença entre os ômegas 3 disponíveis no mercado?

A maioria das pessoas já ouviu falar no ômega 3, porém este assunto ainda causa dúvidas em muita gente. As fontes desse tipo de gordura benéfica ainda não são conhecidas por todos, além disso, existem algumas diferenças entre os ácidos graxos ômega 3 de acordo com a sua origem e o seu tipo.