Luteína e Zeaxantina: antioxidantes poderosos para seus olhos!

A alimentação, sem dúvidas, está diretamente ligada à nossa saúde. O que nos alimenta pode tanto trazer benefícios quanto malefícios em diversos aspectos da vida. Provavelmente, você já ouviu (muitas vezes) durante a sua vida que algum tipo de alimento faz bem “pras vistas”. Consegue lembrar de algum?
Share on facebook
Share on twitter

A alimentação, sem dúvidas, está diretamente ligada à nossa saúde. O que nos alimenta pode tanto trazer benefícios quanto malefícios em diversos aspectos da vida. Provavelmente, você já ouviu (muitas vezes) durante a sua vida que algum tipo de alimento faz bem “pras vistas”. Consegue lembrar de algum?

Será que os olhos podem se beneficiar daquilo que comemos? Podem sim! E iremos abordar quais são os alimentos que contribuem para a nossa saúde ocular ao longo desse texto. Mas, antes disso, é importante destacarmos quais são os principais fatores que podem afetar a nossa visão e onde a alimentação entra nessa relação. Vamos lá?!

luteina-e-zeaxantina-antioxidantes-poderosos-para-seus-olhos

Degeneração Macular: a principal causa de cegueira na terceira idade!

Abreviada em DMRI, é uma doença degenerativa e progressiva que atinge, principalmente, a área central da retina, a mácula, que desempenha função essencial na nossa visão: a de possibilitar foco e nitidez das imagens.

A degeneração macular relacionada à idade é a principal causa de cegueira no mundo em pessoas acima de 55 anos, em maior parte dos casos. (1,2)

Fatores de risco dessa patologia: (1,2)

– idade (após 55 anos);

– estresse oxidativo;

– alterações cardiovasculares;

– condições ambientais, genéticas, étnicas e raciais;

– tabagismo;

– exposição aos raios solares;

– alimentação;

– obesidade visceral;

– portadores de catarata.

O que é estresse oxidativo?

A produção de radicais livres representa um processo fisiológico que produz energia e sua função principal é eliminar invasores bacterianos e células malformadas. Algumas condições ambientais ou patológicas, como exposição à irradiação, idade, fumaça de cigarro, poluição e outras, podem resultar na elevação da produção de espécies reativas de radicais livres, levando ao estresse oxidativo que estimula a produção de substâncias pró-inflamatórias. O aumento da inflamação e o estresse oxidativo se associam à progressão de doenças relacionadas à idade pois há um comprometimento da proliferação celular em resposta aos danos que ocorrem durante a replicação celular. (2,3)

Os compostos bioativos dos alimentos (CBA), que são compostos extra nutricionais que, quando ingeridos em quantidades significativas, exercem efeitos muito benéficos para a nossa saúde, podem atenuar os efeitos cumulativos do estresse oxidativo e da inflamação. Além disso, substâncias antioxidantes são capazes de prevenir os efeitos deletérios da oxidação, protegendo organismos aeróbicos do estresse oxidativo, ou seja, o consumo inadequado de antioxidantes também está relacionado a este assunto e é, a partir de agora, que falaremos da relação dos alimentos com a saúde dos nossos olhos.(2,3)

luteina-e-zeaxantina-antioxidantes-poderosos-para-seus-olhos

Luteína, zeaxantina e saúde ocular:

A luteína e a zeaxantina são pigmentos amarelos que se localizam na mácula, região central da retina, e que, por isso, também podem ser chamados de pigmentos maculares.(3,4)

Os pigmentos maculares atuam como um filtro que protege a mácula por reduzir a quantidade de luz de comprimento de onda curto e neutralizam espécies reativas de oxigênio liberadas tanto por dano luminoso como pelo metabolismo retiniano interno.

Nosso organismo não sintetiza estes pigmentos e, por isso, precisamos obtê-los através da alimentação ou suplementação. (3,4)

A luteína é um tipo de carotenoide, pertencente à classe das xantofilas de coloração amarela, que atua como antioxidante protegendo as células dos danos oxidativos, reduzindo o risco de desenvolvimento de algumas doenças crônicas degenerativas. A zeaxantina, que também pertence às xantofilas, apresenta uma estrutura química muito similar à luteína. (5)

Estudos em pacientes com uma dieta rica em luteína e zeaxantina ou com suplementação por três ou mais meses, resultaram em aumento na densidade dos carotenoides retinianos na maioria dos pacientes. (4)

Por atuarem na neutralização de radicais livres e na filtragem da luz azul, que reduz os danos fotoxidativos, alguns estudos epidemiológicos apontam uma correlação inversa entre o consumo de luteína e zeaxantina na dieta com o risco de degeneração macular que, como vimos, é a principal causa de cegueira em idosos.(3)

Onde podemos encontrar a luteína e a zeaxantina?

Agora que entendemos a relação delas com a saúde dos nossos olhos, vamos descobrir quais alimentos são fontes destes poderosos carotenoides antioxidantes. Anote aí para incluí-los na próxima ida ao supermercado! (1, 2, 5, 6)

– Vegetais folhosos verdes (salsa, espinafre, couve e outros);

– Milho;

– Abóbora;

– Laranja;

– Tangerina;

– Mamão Papaia;

– Brócolis;

– Ervilha;

– Gema de Ovo;

– Cenoura;

– Páprica e outros.

Nem sempre conseguimos consumir a quantidade necessária destes tipos de substâncias por meio da alimentação e, por isso, a suplementação pode ser tornar uma grande aliada à nossa saúde.

Para entender melhor sobre quanto você deve consumir destes alimentos e se é necessário suplementar, a recomendação é que mantenha a rotina médica em dia!

 

FONTES: 
  1. SANTOS, Stella M. G. Benefícios da luteína na prevenção e tratamento da degeneração macular relacionada à idade (DMRI).Anais do Conic-Semesp. Volume 1. Mogi-Guaçu, 2013. Disponível em <http://conic-semesp.org.br/anais/files/2013/trabalho-1000015787.pdf>. Acesso em 20 ago. 2020.
  1. TORRES, Rogil J. Almeida et al. Conceitos atuais e perspectivas na prevenção da degeneração macular relacionada à idade. RevBras Oftalmol. São Paulo, v.67, n. 3, p. 142-155, 2008. Disponível em <https://www.scielo.br/pdf/rbof/v67n3/a08v67n3.pdf>. Acesso em 20 ago. 2020.
  1. CARNAUBA, Renata Alves. Ação dos compostos bioativos dos alimentos no envelhecimento e longevidade.RevBrasNutrFunc, 45(80), 2019. Disponível em <https://www.vponline.com.br/portal/noticia/pdf/9e7403fa818b7b612e1101fa418063e9.pdf>. Acesso em 20 ago. 2020.
  1. CANOVAS, Renata et al. Pigmentos maculares. Arq. Bras. Oftalmol. São Paulo, v.72, n. 6, p. 839-844, 2009. Disponível em <https://www.scielo.br/pdf/abo/v72n6/21.pdf>. Acesso em 20 ago. 2020.
  1. STRINGHETA, Paulo Cesar et al. Luteína: propriedades antioxidantes e benefícios à saúde.Alim. Nutr. Araraquara, v. 17, n.2, p. 229-238, 2006. Disponível em <https://www.researchgate.net/publication/49599824_LUTEINA_PROPRIEDADES_ANTIOXIDANTES_E_BENEFICIOS_A_SAUDE>. Acesso em 20 ago. 2020.
  1. SALGADO, JocelemMastrodi. Carotenoides. São Paulo, 2017. Disponível em <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3352393/mod_resource/content/1/carotenoides.pdf>. Acesso em 20 ago. 2020.

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

CATEGORIAS
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Alimentos que “empoderam” seu cérebro

Você sabia que as chaves para um cérebro saudável e memória forte podem estar em sua cozinha? Sim, cada vez mais, pesquisas estão mostrando uma conexão direta entre o que comemos e o risco de desenvolver Alzheimer e outras doenças neurodegenerativas.