Qual a relação entre o otimismo e a felicidade?

Se você deseja ter mais qualidade de vida em seu dia a dia, certamente você se interessa em buscar felicidade pessoal, não é mesmo? Mas o que é a felicidade?
Share on facebook
Share on twitter

Se você deseja ter mais qualidade de vida em seu dia a dia, certamente você se interessa em buscar felicidade pessoal, não é mesmo?

Mas o que é a felicidade?

A resposta para esta pergunta é muito subjetiva, porém, há um caminho mais seguro para alcançar a tão desejada felicidade – o otimismo!

O otimismo é um estado que se correlaciona com a felicidade, pois quando vemos a vida de forma positiva, nos sentimos mais satisfeitos e confiantes. Se você é uma pessoa que está buscando ver a vida “meio cheia” ao invés de “meio vazia”, você terá uma maior chance de obter mais prazer em sua jornada pessoal, esse modo de ser reflete positivamente em todas as áreas – tendo um trabalho mais satisfatório, um casamento mais feliz, melhor saúde e longevidade.

Algumas pessoas têm a sorte de nascer com muita disposição e otimismo, mas isso é algo que também podemos buscar e alcançar, treinando nossa mente e focando realmente no lado positivo dos acontecimentos.

Muitas pessoas pensam que “a grama é mais verde” para as pessoas felizes, porém, de acordo com pesquisas relacionadas a este tema, as pessoas felizes e infelizes geralmente têm o mesmo número de eventos adversos em suas vidas. A diferença está em sua interpretação de tais adversidades.

As pessoas otimistas estão dispostas e são capazes de fazer planos de ação positivos na vida para neutralizar os eventos ruins, enquanto os pessimistas são mais propensos a não fazerem coisa alguma, se afundando em negativismo, letargia e, em muitos casos, depressão, que é considerada a doença do século.

Otimismo e pessimismo são as formas que os nossos pensamentos explicam os eventos da vida. Esses pensamentos atuam junto a um humor positivo versus negativo e comportamento expansivo versus retraído. Pessoas com explicações otimistas da vida geralmente se sentem mais felizes e mais energizadas para lidar com os obstáculos, vendo-os como desafios ao invés de experiências de fracasso.

Otimistas são mais propensos a analisar se os retrocessos são situacionais, então são capazes de desenvolver planos para remover os obstáculos para enfim alcançarem seus objetivos. Pessimistas são mais propensos a ver os problemas da vida como falhas pessoais, culparem-se, sentirem-se infelizes e desistirem de tentar mudar.

Uma vez que você compreende os fundamentos psicológicos com os quais enxergamos a vida, você pode então aprender como usar esta informação a seu favor. Você pode expandir as suas características úteis e aprender a alterar e superar suas falhas e negatividade.

O autor e terapeuta cognitivo Martin Seligman, em seu livro Learned Optimism (Free Press, Segunda edição, 1998), descreve um plano de ação para reforçar explicações e emoções otimistas a fim de alcançar e manter um estilo de vida mais feliz e mais energizado. Ele descreve sua própria personalidade básica como sendo “mau humorada”, mas diz que foi capaz de mudar seu estilo de vida para um modo mais otimista de pensar e lidar.

Como terapeuta cognitivo, Seligman observa que nossos pensamentos podem e controlam nossos estados de ânimo. Ele observou que o otimista explica eventos adversos de maneira ESPECÍFICA, TEMPORÁRIA e IMPESSOAL, enquanto as explicações pessimistas de problemas são PERVASIVAS (difundidas em todas as áreas de sua vida), PERMANENTES e PESSOAIS.

Em outras palavras, quando você encontra um problema, se você o vê como específico de uma determinada situação, temporário, capaz de ser alterado e não relacionado a uma deficiência pessoal, é mais provável que você esteja positivamente energizado e altere a situação do problema para obter vantagem. Porém, se você vê o problema como algo generalizado na vida, se você o vê como permanente e imutável, e além disso, se você vê isso como uma experiência de falha pessoal, você é muito mais propenso a se sentir deprimido e se resignar ao fracasso.

qual-a-relacao-entre-otimismo-e-felicidade-1

Mas como você pode mudar do pessimismo para o otimismo?

Se você é um pessimista, é provável que você ache impossível se tornar um otimista. Você acha que está preso na passividade e negativismo e além disso você acha que irá falhar.

Contudo, é importante que você saiba que pode treinar seu pensamento para controlar seu humor e sua forma de pensar sobre seus problemas! Da mesma forma, você também pode tornar-se um otimista. Primeiro, você tem que descobrir como evitar suas explicações pervasivas, permanentes e pessoais sobre seus problemas e começar a perceber situações temporárias e específicas sobre eles, além de não relacioná-los às suas falhas pessoais.

Vamos tentar um exemplo onde um ponto de vista otimista ou pessimista fará a diferença em sua vida. Neste exemplo, você adotou um plano de alimentação saudável para perder peso. Uma noite você sucumbe aos seus desejos e come um pedaço grande de bolo de chocolate. Uma explicação pessimista sobre o evento pode fazer com que você se sinta culpado e deprimido e pode até fazer com que você desista de sua nova dieta. Sua explicação pessimista pessoal poderia ser – “Agora eu cedi, não tenho força de vontade” – enquanto sua explicação pessimista permanente pode ser – “Eu nunca vou ser capaz de manter uma dieta saudável”. Uma explicação pervasiva poderia acrescentar ainda mais negatividade à sua busca – “Eu não consigo ficar longe de doces. Eu nunca vou ser capaz de manter uma dieta.”

Agora considere como um estilo explicativo otimista poderia ajudar neste caso. Uma explicação menos pessoal ou específica poderia ser a seguinte – “Bem, eu comi o bolo à noite. O problema pode ser o horário. Eu preciso de um plano de alimentação saudável para a noite que é quando eu sou menos resistente a doces”. Vendo o problema como temporário, você pode pensar: “Um pedaço de bolo de chocolate não é uma recaída, foi apenas um pedaço de bolo e não significa que eu não possa ficar longe de doces no futuro”. Em vez de resolver um problema generalizado, o otimista pode restringir o problema apenas ao bolo de chocolate, tendo confiança na sua capacidade de manter a dieta, apenas resolvendo ficar longe de certas tentações.
Se o pessimismo em você ainda quer ver o fato de comer o bolo como um exemplo de um fracasso pessoal, você pode contestar os pensamentos pessimistas e olhar para as provas. “Tudo o que fiz foi comer um pedaço de bolo, ao invés de me sentir mal pelo bolo, devo me sentir bem porque segui o meu plano de alimentação saudável por três dias seguidos”.

O exemplo acima foi projetado para mostrar a utilidade do estilo otimista versus pessimista explicativo e ilustrar formas que você pode usar para converter seus pensamentos para uma forma mais positiva de viver.

Um clima positivo de felicidade também combate o pessimismo e torna o pensamento otimista mais facilmente disponível!

Vale lembrar que diferentes técnicas cognitivas para treinar o otimismo podem ser complementadas com práticas que promovam boa saúde (alimentação e suplementação adequadas, exercício, repouso, bom sono), relaxamento (música, meditação, ioga), equilíbrio de atividades positivas (algo que traga beleza, humor, natureza, atividades sociais), espiritualidade e outras influências positivas para contribuir tanto para a felicidade quanto para o otimismo.

Objetivos otimistas, desde que sejam atingíveis, te ajudam a criar um propósito de vida que irá conduzir você através de uma vida muito mais feliz e plena!

Compartilhe este post e leve mais otimismo para a vida de seus amigos e familiares!

Otimismo é Vital!

Referências:
https://www.ted.com/talks/martin_seligman_on_the_state_of_psychology?language=pt-br
https://www.authentichappiness.sas.upenn.edu/faculty-profile/profile-dr-martin-seligman
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2012000300015

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

CATEGORIAS
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

Açafrão-da-terra e Cúrcuma: você sabia que são a mesma coisa?

Com certeza você já ouviu falar em açafrão-da-terra e cúrcuma. Mas sabia que estes são dois nomes para a mesma raiz? Isso mesmo! O açafrão-da-terra e a cúrcuma são diferentes nomes de uma herbácea (originária da Ásia) da família do gengibre.

Mas além do nome, o mais importante é que esta raiz é considerada a erva mais poderosa do planeta e mundialmente usada na prevenção e no combate à várias doenças!