Ômega 3 como proteção contra a depressão e ansiedade, os males da atualidade

Você sabia que o ômega 3 pode nos ajudar a combater a depressão e a ansiedade? Isto é em razão de sua capacidade de nutrir os tecidos cerebrais e proteger nossas células nervosas!
Share on facebook
Share on twitter

Você sabia que o ômega 3 pode nos ajudar a combater a depressão e a ansiedade? Isto é em razão de sua capacidade de nutrir os tecidos cerebrais e proteger nossas células nervosas!

O cérebro está diretamente relacionado às nossas memórias, à nossa consciência, às nossas emoções e sentimentos. Doenças e transtornos da mente, quando acontecem, precisam de cuidados especiais, já que comprometem a psique e afetam diretamente a nossa qualidade de vida.

Para cuidarmos da nossa saúde em nível mental,  precisamos alinhar conexões neurológicas e cognitivas e melhorar certos padrões de pensamento, já que os transtornos da mente são capazes de desestabilizar as funções cerebrais de diferentes formas. Mas como fazer isso?

A base do tratamento para a ansiedade e depressão geralmente envolve medicamentos, psicoterapia ou uma combinação dos dois. Porém, cada vez mais, as pesquisas sugerem que esses tratamentos podem ser potencializados através de uma boa nutrição cerebral, que é capaz de auxiliar nas melhorias das funções cerebrais associadas a esses transtornos.

O tecido cerebral é rico em ácidos graxos ômega 3, que são gorduras essenciais para o bom crescimento, desenvolvimento e função de todo o tecido cerebral. Para se ter uma ideia, o tecido do cérebro é composto 60%  por gorduras, especialmente as do tipo ômega 3, que são de vital importância para a saúde das membranas celulares e para favorecer as conexões entre os nervos.

Pessoas que consomem uma boa quantidade de ômega 3 absorvem este importante nutriente que envolve as membranas celulares, alimentando o cérebro com qualidade e auxiliando todo o sistema neurológico e mental.

Um cérebro bem nutrido com ômega 3 é também um cérebro saudável, capaz de minimizar e até mesmo de evitar certos desequilíbrios químicos que favorecem o surgimento de transtornos da mente.

Se o nosso cérebro está carente desse tipo de gordura essencial, pode sofrer danos e nos levar a piorar um eventual quadro de depressão e de ansiedade, males tão comuns nos dias atribulados de hoje.

Pesquisas já revelaram que a baixa ingestão dietética de ácidos graxos ômega 3 benéficos, como o ácido eicosapentaenóico (EPA) e o ácido docosahexaenóico (DHA), está ligada ao humor deprimido, hostilidade e comportamento impulsivo.

Níveis baixos de ácidos graxos ômega 3 também estão ligados ao mau desempenho em testes cognitivos e de memória e ao declínio cognitivo mais rápido com o envelhecimento.

Ao contrário disso, a ingestão elevada de EPA e DHA está associada com o aumento do volume de matéria cinzenta nas regiões cerebrais que controlam a depressão e o humor. Em estudos clínicos controlados, os doentes deprimidos designados aleatoriamente para receberem ácidos graxos ômega 3 demonstraram uma melhoria maior em comparação com aqueles atribuídos a placebo.

Já foi constatado que o consumo adequado do ômega 3 é capaz de melhorar o controle das emoções e do humor, minimizando sintomas depressivos, insônia a falta de libido, que são sintomas frequentes em pacientes com depressão e ansiedade. Cientistas estão examinando intensamente de que maneira os ácidos graxos ômega 3 trabalham para promover um humor saudável.

Pesquisadores analisaram os níveis plasmáticos de ácidos graxos essenciais e neuroesteróides, que são substâncias químicas neuroativas envolvidas em vários processos neurofísicos dos transtornos da mente. Tais estudos incluíram 18 homens saudáveis e 34 homens com alcoolismo, depressão, ou ambos. No grupo dos 52 indivíduos, o nível mais baixo de ácidos graxos essenciais ômega 3 foi associado a níveis mais elevados de neuroesteroides.

Parece que a falta de DHA tem efeitos hormonais de grande alcance, aumentando o hormônio que libera a corticotropina, que é um hormônio que atua na parte emocional. Isso pode, por sua vez, contribuir para a hiperatividade dentro do eixo hipotalâmico da adrenal pituitária, um importante sistema neuroendócrino que regula humor, agressão e respostas de “luta ou fuga” associadas à ansiedade.

“A evidência está se tornando bastante convincente de que o aumento da ingestão de gorduras ômega 3 aumenta muitos aspectos da função cerebral, incluindo o controle do humor e aspectos da personalidade”, disse Brian M. Ross, MD, Professor Associado de Medicina, Química e Saúde Pública na Faculdade de Medicina do Norte de Ontário da Universidade Lakehead, nos Estados Unidos.

Segundo o Dr. Ross, “combinar os resultados de uma série de ensaios clínicos mostra claramente que a suplementação com ácidos graxos ômega 3, em particular as variedades de cadeia longa EPA e DHA, ajuda a reduzir os sintomas associados à depressão clínica. Outros dados provocativos sugerem que aumentar a ingestão de ácidos graxos ômega 3 aumenta a atenção e reduz a agressão, provavelmente aumentando os processos cognitivos “.

De acordo com uma hipótese recentemente apresentada pelo Dr. Ross, o baixo nível de ácidos graxos ômega 3 poderia ser um fator de risco para a depressão, enquanto a suplementação dietética com ácidos graxos ômega 3 poderia ser um tratamento útil e bem tolerado para o transtorno depressivo maior, e o melhor de tudo, sem os efeitos colaterais causados pelos medicamentos convencionais.

O ômega 3 pode ser tão eficiente como os remédios antidepressivos, sendo uma boa forma de lutar contra as crises de ansiedade e a depressão. Mas se o médico já prescreveu antidepressivos não se deve parar de tomar estes medicamentos sem o seu conhecimento, mas sim começar a fazer uma alimentação rica em ômega 3.

O óleo de linhaça e as algas marinhas são as fontes vegetais mais ricas em ômega 3, enquanto os peixes marinhos de águas frias e profundas e crustáceos são as maiores fontes de origem animal desse tipo de gordura. Porém, tão importante quanto escolher consumir ômega 3 em sua dieta, é escolher bem as origens e a qualidade de tais gorduras.  

Peixes marinhos, por exemplo, podem estar contaminados com metais pesados, causando mais danos do que benefícios. A suplementação com cápsulas de ômega 3 também deve ser bem escolhida, prefira sempre marcas idôneas, com óleo de linhaça extraído a frio e óleo de peixe com alta concentração de EPA e DHA, e que seja livre de metais pesados, certo?

E então, entendeu melhor os benefícios do ômega 3 no combate à depressão e ansiedade?

Valorize sua saúde física e mental, compartilhe este post e divida essas informações vitais com seus amigos e familiares.

O que achou das nossas dicas Vitais? Tem muito mais aqui no Eu Bem Melhor!

Referências:
Ross, B. M., Seguin, J., & Sieswerda, L. E. (2007). Omega-3 fatty acids as treatments for mental illness: which disorder and which fatty acid? Lipids in Health and Disease, 6(1), 21.
Ross, B. M. (2009). Omega-3 polyunsaturated fatty acids and anxiety disorders. Prostaglandins, Leukotrienes and Essential Fatty Acids, 81(5-6), 309–312.

1 comentário em “Ômega 3 como proteção contra a depressão e ansiedade, os males da atualidade”

Deixe um comentário

Deixe aqui seu e-mail pra receber conteúdos incríveis sobre qualidade de vida.

CATEGORIAS
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

O que são alimentos bioativos?

O que são alimentos bioativos?

Os alimentos bioativos tem como característica ativar a vida. O seu potencial nutricional é elevado, quantitativo e rápido e o energético é praticamente infinito, é de fácil digestão e assimilação.

Você tem o hábito de exercitar seu cérebro?

O fim do ano vai chegando e todos pensam que querem ficar em forma para as férias e para aproveitar o verão, apesar disso, nem todos se preocupam em exercitar o cérebro. Sim! Nosso cérebro precisa de um “treino” também, sabia?

Você conhece os sintomas de deficiência de Vitamina D?

Você já se conscientizou sobre importância da Vitamina D?

Agora você vai saber quais os sintomas que a falta dela pode causar no organismo.

Mas antes é importante destacar que segundo um estudo da Universidade de Cambridge (Reino Unido), cerca de 1/3 da população é deficiente em Vitamina D.